22 de maio de 2012

Flávio, tão pequenino e já segura a Taça

O sub-capitão da Briosa foi o mais novo no Jamor e fala de um orgulho imenso ter sido o mais jovem a capitanear os estudantes
Marinho era o mais baixo no Jamor, mas Flávio foi o mais pequenino... na idade. Com 20 anos, o sub-capitão da Briosa agarrou o primeiro troféu da curta carreira e não esconde a vaidade por ter sido um dos mais jovens de sempre na final, com menos um mês do que João Moutinho, também ele sub-capitão do Sporting em 2007, quando os leões bateram o Belenenses.

«É um orgulho poder entrar na história da Taça. Já tinha entrado no caso da Académica como capitão mais jovem de sempre, mas o que temos de salientar aqui é a conquista que tivemos, 73 anos depois. É o maior feito que um jogador profissional neste clube pôde ter», afirmou o médio «made in» Briosa, à margem do almoço de encerramento da época.

«É uma paixão poder jogar no clube que me formou. Tive oportunidade de estar no Jamor e ganhar a final. Um dia mais tarde vamos ser recordados por esse feito. É bom entrar na história da Académica. É importante haver uma aposta na formação. A Académica tem vindo a fazê-lo. Isso só valoriza o clube e os jogadores. Espero que seja para continuar», reforçou.

Na próxima época, os estudantes regressam, 40 anos depois, às competições europeias e podem encontrar adversários como o At. Madrid, Inter, Liverpool, Lyon ou Tottenham. Flávio mal pode esperar. «Vamos disputar a Liga Europa com equipas grandes e é uma honra poder recebê-las no nosso estádio. É uma responsabilidade acrescida, mas é isso que os jogadores gostam, é o que nos move.»

A chegada a lugares tão inusitados para os de Coimbra fez até o jovem médio confundir as provas e falar em Supertaça europeia em vez da Cândido Oliveira. Corrigido o lapso, o internacional sub-20 garantiu não haver ainda metas traçadas para o próximo ano, provavelmente ainda mal refeito de tudo o que se passou no seio do clube nas últimas semanas.

«Fomos recebidos de uma forma extraordinária. Não tenho muitas palavras para descrever. Foi fantástico. Era importante que este apoio fosse durante a época toda. Pode ser um despertar da cidade e para o ano compareçam em massa todos os domingos no estádio», desejou, depois de fazer um «balanço produtivo» da sua primeira época na Liga.

O almoço do plantel reuniu quase toda a gente à mesa, com exceção de David Simão, Cédric e Abdoulaye, todos dispensados para se juntarem às respetivas seleções. A equipa só não foi oficialmente de férias porque ainda existe a possibilidade de haver um jogo particular com Angola, que vem estagiar a Portugal, na sexta-feira.

A semana servirá para fazer estabelecer o planeamento da próxima temporada e alinhavar algumas renovações. Há 16 jogadores em final de contrato e um deles, Hugo Morais, já revelou esta quinta-feira que não irá continuar em Coimbra.

in Mais Futebol

Sem comentários:

Publicar um comentário